Diante da necessidade de ajustes, um crescimento econômico baixo já está dado em 2015, mas o desempenho da economia pode ter uma composição um pouco mais equilibrada pelo lado da oferta, algo não visto desde 2010. Embora essa percepção não seja consenso, um número considerável de instituições avalia que, no próximo ano, a indústria aumentará mais do que os serviços dentro do Produto Interno Bruto (PIB).

O setor industrial não deve mostrar recuperação consistente, mas uma expansão deve ser garantida pela base de comparação baixa de 2014. Por outro lado, a tendência de depreciação do real e a consequente moderação dos ganhos de renda da população apontam para uma desaceleração mais estrutural dos serviços. Já para a indústria, o cenário de câmbio mais desvalorizado e menor pressão de custos com mão de obra pode ajudar o setor a começar a recuperar a competitividade. (…)

FONTE: VALOR 26/12